Capa

Festa no jardim da Fundação Calouste Gulbenkian

ENCONTROS NO EQUINÓCIO22 Março ’14 ● @ Jardim – Centro Interpretativo Gonçalo Ribeiro Telles ● Gulbenkien ●

Um dia especial para celebrar a primavera

A chegada da primavera aos Jardins da Fundação é uma oportunidade excelente para convidarmos todos os amigos a virem passar o dia a desenhar, a conversar, a descansar, a ouvir histórias ou a participar em algumas das atividades que preparámos. Vamos ter connosco a festejar esta data os Urban Sketchers Portugal, por isso convidamos toda a gente a vir munida de caderno e lápis – vai ser um dia de garden sketching!

Os bilhetes deverão ser previamente adquiridos/levantados na receção da Sede da FGC, no CAM ou pela internet até ao início da atividade que se realiza no Centro Interpretativo Gonçalo Ribeiro Telles.

PROGRAMA

OFICINA “O puzzle do Jardim” ● 10h00 | 11h15 | 14h00 | 15h15 ● Todas as idades ● 2€ ● 60’ ● Participantes Min 10, Máx 24  ● Conceção e orientação | Nuno Neves, Susana Vilela ●

No Jardim vai crescer uma pintura gigante e coletiva. O ponto de partida é pequenino e o ponto de chegada é surpresa! Peça a peça, cada um de nós vai criar pedaços de uma imagem, que irá encaixar no sítio certo, até chegar ao puzzle final.

As crianças até aos 8 anos deverão estar acompanhadas de um adulto.
Puzzle do Jardim

VISITA “A Água no Jardim da Gulbenkien” ● 10h30 ● M/16 ● 5€● 90’ ● Participantes Min 10, Máx 25 ● Conceção e orientação | Carlos Carrilho ●

Ciclo de três visitas, independentes entre si, que propõe dar a conhecer o Jardim Gulbenkian, o que o constrói e caracteriza, a partir de diferentes perspetivas.

A água é o elemento focal do Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian. Está presente em todo o Jardim, passeando-se pelas paisagens e construindo-as nos seus traços distintivos. Liga e integra as diferentes áreas e edifícios através de riachos, canais, lagos, cascatas, repuxos e espelhos de reflexão da luz. Participa na criação das características formais ou naturalistas do Jardim e incrementa a vida selvagem. Reconhecer e apreciar a influência dinâmica da água no Jardim Gulbenkian é, pois, a proposta desta visita, no Dia Mundial da Água.

ÁguanoJardimdaGulbenkies

OFICINA DE ARTES PLÁSTICAS “Diário gráfico nos Jardins da Fundação” ● 10h30 ● M/8 ● 7.5€ ● 150’ ● Participantes Mín 10, Máx 25 ● Conceção e orientação Rosário Félix ●

Para quem já se esqueceu de como é bom desenhar ao ar livre, os Urban Sketchers Portugal vão orientar uma oficina sobre desenho de observação e construção de cores. “O traçado largo baseado nos contrastes sombra-luz, árvores-clareira, é procura constante do projeto.
O movimento, traduzido quer no crescimento das plantas, quer nos aspetos diferentes de volume, cor e luz que tomam no decorrer das estações, quer na existência da fauna própria de um parque, quer enfim na presença humana ligada à vida dos edifícios ou na circulação no interior ou na periferia dos parques, é também elemento importante a considerar no desenvolvimento do projeto.” (Gonçalo Ribeiro Telles e Viana Barreto, Memória descritiva do anteprojeto, FCG, 1961).
Vamos passear pelo Jardim e ver de muito perto. O Jardim visto de dentro do edifício e de fora do edifício. Diário gráfico na mão, vamos aprender a observar e a registar através do desenho e da mancha de cor as ambiências, espacialidades e vivências deste jardim em pleno início da primavera.

Cada participante deverá trazer um caderno de folhas lisas (formato A5 ou A6), caneta impermeável (preta e de cor), material para colorir (aguarelas, lápis de cor aguarelável, ou outro), pincel de água ou pincel e frasco com água, um trapo ou lenços de papel. 

3DiárioGráfico

HISTÓRIAS “Contos nos jardins e jardins nos contos” ● 11h00 | 14h000 | 16h00 ● Todas as idades ● 2€ ● 25’ ● Participantes Min 5, Máx 40 ● Conceção e orientação | Ana Sofia Paiva, António Fontinha ●

Um contador de histórias é uma pessoa muito especial. Ele fala com as coisas e com os lugares, que lhe contam memórias muito antigas, ou ainda de ontem, cheias de personagens, de sentimentos, de descobertas e de segredos.
O contador de histórias ouve estas memórias com muita atenção, pois conhece a língua do silêncio, e depois narra-as sob a forma de conto. Enquadrado num dos recantos deste jardim, o contador de histórias partilhará algumas dessas histórias e encantará os apaixonados dos contos.

As crianças até aos 8 anos deverão estar acompanhadas de um adulto.

4Histórias

DESENHO “Garden sketching com os Urban Sketchers Portugal” ● 14h30 ● Todas as idades ● Gratuito ● Participantes Min 1, Máx 50 ● 3h●

Profissionais, amadores ou curiosos, vamos todos pegar no caderno e no lápis e aproveitar o dia e a companhia para desenhar ao ar livre o Jardim da Fundação. Toda a gente está convidada a partilhar com a Fundação uma cópia dos desenhos feitos neste dia, que reuniremos para fazer uma compilação de desenhos do Jardim nas quatro estações do ano!

Esta é uma atividade livre. Cada pessoa deverá trazer o seu próprio bloco de desenhos, bem como lápis, grafites, aguarelas, etc. Quem se sentir “enferrujado” ou nunca tiver desenhado poderá inscrever-se na oficina de Diário Gráfico.

Desenho

About these ads
shutterstock_85995190

Doces e mais Doces | 5 dicas para reduzir a ingestão de açúcares nos nossos filhos

Embora não se saiba ainda claramente qual o mecanismo que leva a que uma criança tenha mais apetência para doces do que outras, sabe-se que assim que uma criança prova um alimento doce, retém uma memória desse paladar e busca-o em todos os alimentos a partir de então.

O açúcar faz falta e é essencial na nossa alimentação e na dos nossos pequenotes. Refiro-me aos açúcares presentes naturalmente nos alimentos, e não ao açúcar que existe nos frascos das nossas dispensas (a sacarose). Refiro-me à Glicose, rainha do nosso metabolismo. O nome Glicose vem do grego glykys (γλυκύς), que significa “doce”, mais o sufixo -ose, indicativo de açúcar. É responsável pela nossa energia além de ser precursora de outras moléculas importantes e essenciais à vida.

Estes açúcares naturais, denominados de oses, podem ser encontrados em quase todos os alimentos, por exemplo, no leite encontramos a lactose (..ose), na fruta encontramos a frutose (…ose), no pão encontramos o amido (..ose??) que será ao logo da digestão desdobrado em várias moléculas de glicose (Ah…. ose!!). Estes sim, são açúcares essenciais ao nosso corpo e deveriam ser estes os únicos açúcares na alimentação dos bebés e crianças.

E desengane-se se pensa que conhece bem todos os alimentos que oferece ao seu mais que tudo. Ler os rótulos hoje em dia é uma verdadeira acrobacia. Parece que as indústrias se uniram e criaram códigos perfeitamente indescodificáveis ao mais comum dos consumidores, leigos em literacia industrial. São “números E”, são aditivos, são conservantes, são estabilizantes e como se não lhes bastasse, ainda mascaram os açúcares com os seus nomes químicos que, de pouco ou nada, se parecem com alguma palavra comum. Faça um teste e consulte os ingredientes de alguns produtos nas prateleiras do seu frigorífico, ficará facilmente impressionado.

Eu encontrei melaço e glicose no meu molho inglês, lactose e dextrose no meu fiambre de peru, sacarose, frutose, xarope de glicose-frutose e amido modificado no meu Ketchup, levulose e dextrose e maltodextrinas nos meus enchidos (escolhidos a dedo com muitas reticências e com teores de gordura do mais em conta que pode existir), para não referir os cereais e sumos que são verdadeiras bombas. Doce em todo o lado! Keep it simple and organic.

Ser boa mãe não é conhecer estes malvados de cor e salteado, nem sequer saber onde os encontrar. É ter a genica de oferecer a maior variedade possível de alimentos puros ao seu mais que tudo. Mas se ainda assim quiser saber mais sobre os aditivos e os temíveis “E”, saiba que a Food Standards Agency (www.foof.gov.uk) tem uma publicação inteirinha à sua espera.

Os nossos conselhos para reduzir a ingestão de açúcares do seu pequenote e evitar o mecanismo da gula que daí advém, são:

• Reduzir ou eliminar o consumo de sumos industriais;

• Reduzir ou eliminar o consumo de produtos de elevada densidade energética;

• Reduzir ou eliminar snacks tipo barras de cereais;

• Reduzir ou eliminar consumo de molhos industrializados como ketchup, molhos de barbecue, entre outros;

• Reduzir ou eliminar sopas empacotadas, principalmente se o seu pequeno tesouro é ainda pequeno.

Comece por aqui que já é uma grande vitória.

É SEMPRE preferível oferecer às crianças sobremesas feitas de forma caseira sobretudo à base de frutos e tubérculos (naturalmente doces), em substituição do tradicional açúcar branco, chocolates, caramelos e outros alimentos artificialmente açucarados, para satisfazer os desejos de algo doce. Além destes não serem essenciais, trazem outras questões associadas nada benéficas, as cáries.

Garantir que tem sempre fruta à disposição ou uma sobremesa saudável e sem açúcar, para além de saciar o desejo por doces, vai numa fase posterior da vida, restringir muito o desejo por açúcar e o número de idas às pastelarias em busca de doces artificiais e prejudiciais.

shutterstock_95780521

Se pretender ajuda neste campo, saiba que a Bebé Gourmet oferece uma variedade de frutas frescas, frutas cozidas, sobremesas naturalmente doces (sem adição de açúcar) e até uma opção sem laticínios. Tudo isto, embalado com carinho e selado com saúde.

Ofereça saúde agora e no futuro ao seu bebé!

Por Carolina Fernandes, Nutricionista e Coordenadora de Produção da Bebé Gourmet, para Up To Lisbon Kids

bbb915d4f3dfca82c2b9821e03db0158

Pai há só um | Feliz dia do Pai!

Hoje, é um dia especial.
Celebra-se o dia do pai, o dia de todos os pais. O dia em que paramos para pensar na importância de um pai na vida de uma criança, e na nossa vida. De um avô, na vida dos netos. E aqui lembramo-nos Pai há só um! 

Felicito todos os pais, mais recentes ou mais experientes, que passaram noites a pé, que aprenderam a dar biberons e à temperatura certa, que mudam uma fralda com uma perna às costas (embora não gostem… também, quem é que gosta?), que levam e trazem os filhos ou netos da escola, que estão lá hoje, a celebrar o dia com os filhos. Alguns a correr de escola em escola, ou de sala em sala para festejar com cada filho que têm.

Os pais que acolhem, tratam e amam os filhos das suas mulheres como se fossem seus.

Os pais que se lembram de trazer cromos da papelaria quando fazem o euro milhões (porque os pais gostam de jogar na Santa-Casa).

Os pais que levam os filhos às atividades, só porque gostam de vê-los a praticar desporto, que fazem corridas com ele sem nunca os deixar ganhar, porque a competitividade aprende-se.

Os pais que penteiam as filhas, e até lhes põem o gancho no cabelo, e as tratam como princesas.

Os pais que realmente ensinam os filhos a andar de bicicleta, e jogam à bola com eles no jardim.

Os pais que falam com os professores sobre o desempenho dos filhos sempre que os encontram, só para garantir que está tudo bem.

Os pais que levam os filhos à discoteca pela primeira vez e ficam a dormir no carro, porque no fundo não querem sair dali…pode ser precisa alguma coisa.

Os pais que dão conselhos sobre os primeiros namoros, sem se intrometerem demais.

Os pais que continuam a tratar as filhas como princesas depois da adolescência, porque para eles, a filha será sempre a sua menina.

Os pais da minha vida: o Pai dos meus filhos.
E o meu Pai. Mais que um Pai, mais que um Herói, um Pai Super-Herói.

imagens @Andry Shango

imagem capa @beckyearlphotography