exerc

Exercício físico na grávida: Saudável ou um risco para o bebé?

Lene Haakstad, professora adjunta do departamento de Medicina no Desporto da Escola Norueguesa de Ciências do Desporto, e a sua equipa, realizaram e publicaram um estudo sobre a relação entre o exercício físico na grávida e as alterações de peso do seu bebé no nascimento.

«O peso do bebé ao nascer tem um impacto muito significativo na mortalidade e morbilidade infantil, no desenvolvimento da criança e na saúde em adulto. Até à data tem havido dados contraditórios sobre o impacto da actividade física da grávida no peso do bebé ao nascer. Questiona-se se o exercício durante o segundo e terceiro trimestres da gravidez pode ou não aumentar o risco de parto pretermo. O objectivo deste estudo foi examinar o efeito de um programa de exercício controlado no peso do bebé ao nascer, idade gestacional aquando do parto e índice de Apgar.

Foram incluídas no estudo 105 grávidas nulíparas sedentárias com uma idade média de 30,7 anos e tempo médio de gestação de 23,8 semanas.
Dividiram estas mulheres aleatoriamente em dois grupos:

A. GRUPO DE ESTUDO: 52 Mulheres
B. GRUPO DE CONTROLO : 53 Mulheres

As mulheres do Grupo A, Grupo de Estudo realizaram um programa de exercício ao longo de no mínimo 12 semanas, duas vezes por semana 60 minutos de dança aeróbica e treino de força, acrescido de 30 minutos diários de exercício em casa.

As mulheres do Grupo B, Grupo de Controlo não realizaram programa de exercício físico, tendo feito o seu dia-a-dia normalmente.

Após o nascimento dos 105 nados, concluiu-se que:

  • Não houve diferença com significado estatístico entre os dois grupos no peso médio ao nascer, no número de bebés com baixo peso (inferior a 2500g) ou macrosómicos (acima de 4000g).

 

  • O índice de Apgar ao primeiro minuto foi superior no Grupo de Estudo e não houve diferenças nos tempos de gestação.

 

  • O estudo concluiu que o exercício, neste caso a dança aeróbica, não se associou à redução de peso do bebé ao nascer, a partos prétermo ou a alterações no bem-estar do recém nascido

 

Haakstad and all: Exercício na grávida e peso ao nascer: um estudo controlado randomizado. BMC Pregnancy and Childbirth, 2011

Artigo traduzido e adaptado por Sofia Homem,
para Up To Lisbon Kids

imagem @webrun

Sofia2SOFIA HOMEM
34 anos, Lisboa, Especializada em Exercício Físico e Saúde, Coordenadora da Healthy Mommy
Licenciei-me e especializei-me em Exercício Físico e Saúde em 2008 e, entre muitas formações, fiz algumas em áreas especificas como o exercício em populações especiais.

Este é um espaço aberto. Irei responder a todas as questões aqui colocadas. Sinta-se à vontade para esclarecer as suas dúvidas.

 

Patrícia Ervilha

PATRÍCIA ERVILHA, Leiria,  licenciada em sociologia e pós graduada em psicologia social e organizacional.

Desde 1998 que trabalho na área da formação e consultoria, inter e intra empresas.

A escrita e o gosto pela escrita é antigo em mim. Gosto de escrever e ter motivos para escrever. Por isso, decidi fazer da escrita uma parte importante da minha vida, criando o Escritamente, um serviço de redacção de textos.

Pode seguir o Escritamente no Facebook.

Catavento

Catavento1

O Catavento surgiu da vontade de um grupo de mães amigas de dirigir as suas competências pessoais, sociais e profissionais com um objetivo comum.

Não pretendemos nada mais do que ajudar.
Ajudar os outros. Procuramos de forma voluntária melhorar a vida de alguém. Contribuir, através da sensibilização de empresas e particulares, para suprir necessidades de pessoas e causas.
Unimo-nos como um Catavento.
Escolhemos este nome e a sua imagem por ser um mecanismo de trabalho, um mecanismo gerador de energia, um facilitador do trabalho do Homem.
É isso que pretendemos ser.
O facto de termos participado num projecto de apoio a duas crianças doentes fez-nos acreditar que usar o nosso tempo para ajudar o próximo ou para apoiar causas que beneficiam todos é um dever cívico.

 

Acreditamos que podemos melhorar o mundo, e é isso que faremos!”

Ler artigo 3ª CORRIDA/CAMINHADA D. ESTEFÂNIA – POR UM HOSPITAL PEDIÁTRICO EM LISBOA